EUA: extrema-direita protesta contra negros, imigrantes, gays e judeus


Enviado em 12 de agosto de 2017 às 12:19:16


© Jonathan Ernst/Reuters

 

'Sim, eu sou nazista, eu sou nazista, sim', diz um participante da manifestação


Centenas de pessoas se reuniram na noite desta sexta-feira (11) em um protesto contra negros, imigrantes, homossexuais e judeus na cidade de Charlottesville, no Estado da Virgínia, nos Estados Unidos. Munidos com tochas e bandeiras de militares confederados, os participantes faziam saudações nazistas enquanto gritavam palavras de ordem.

Segundo divulgado pela "BBC Brasil" com informações dos próprios participantes, a manifestação é uma prévia do evento "Unir a Direita", que acontece na tarde deste sábado na cidade e deve reunir mais de mil pessoas.

O grupo gritava palavras de ordem como: "Vocês não vão nos substituir", em referência a imigrantes; "Vidas Brancas Importam", em oposição ao movimento Black Lives Matter; e "Morte aos Antifas", abreviação de "antifascistas".

"Sim, eu sou nazista, eu sou nazista, sim", disse um homem.

"Gays, negros, imigrantes imundos, todos eles se manifestam e recebem apoio por isso. Porque quando homens brancos decidem gritar por seus direitos e sua sobrevivência vocês fazem esse escândalo?", questionou um manifestante ao jornalista.

Um pai e uma mãe explicaram o que os fez levar a filha de 14 anos ao protesto: "Eu aprendi com meu pai que precisamos defender a raça branca e hoje estou passando este ensinamento para a minha filha", disse o pai. "Se não fizermos algo, seremos expulsos do nosso próprio país", completou a mãe até que um outro homem a interrompeu: "Vocês estão falando com um estrangeiro. Olha o sotaque dele!", disse ele se referindo ao repórter.

Estudantes negros do campus da universidade da Virginia, onde aconteceu a marcha, e jovens antifascistas fizeram uma "parede-humana" para impedir o avanço dos manifestantes, mas, por estarem em menor número, foram expulsos em poucos minutos.

Manifestantes foram flagrados lançando tochas sobre os estudantes, que responderam com spray de pimenta. A polícia acompanhou o protesto de longe e interviu quando houve confronto.

Com pouco mais de 50 mil habitantes, a cidade que fica a duas horas de Washington foi escolhida como palco dos protestos depois de anunciar que quer retirar uma estátua do general confederado Robert E. Lee de um parque municipal.

Como lembra a publicação, durante a Guerra Civil dos Estados Unidos (1861-1865), os Estados Confederados do sul dos Estados Unidos buscaram independência para impedir a abolição da escravatura. Outras cidades americanas vêm retirando homenagens a militares confederados, o que tem causado polêmicas.


Os comentários abaixo não representam a opinião do Portal Minas1. A responsabilidade é do autor da mensagem.
Comentar

Comentar

* = Preenchimento obrigatório
Nome *
Email *
Mensagem *
 

Comentários

Nenhum comentário ainda.

Histórico

Atropelamento em massa deixa cinco mortos na Ucrânia

Enviado em: 18 de outubro de 2017

Internacional

Milhares protestam na Catalunha contra prisão de separatistas

Enviado em: 17 de outubro de 2017

Internacional

Jornalista que apurava fraudes do Panama Papers morre em atentado

Enviado em: 16 de outubro de 2017

Internacional

ONU encerra missão no Haiti comandada pelo Brasil

Enviado em: 16 de outubro de 2017

Internacional

Número de mortos em atentado na capital da Somália chega a 300

Enviado em: 16 de outubro de 2017

Internacional

Israel descobre parte oculta do Muro das Lamentações

Enviado em: 16 de outubro de 2017

Internacional

Publicidade