Gisele Bündchen expressa 'surpresa' com críticas de ministra da Agricultura


Enviado em 17 de janeiro de 2019 às 12:45:19



ATIVISTA AMBIENTAL

Por: AFP - Agence France-Presse

 

Em seu texto, Bündchen não critica diretamente Cristina, representante do setor do agronegócio. Foto: Apu Gomes/AFP  

Em seu texto, Bündchen não critica diretamente Cristina, representante do setor do agronegócio. Foto: Apu Gomes/AFP

 

 

A supermodelo brasileira Gisele Bündchen defendeu, nessa quarta-feira (16/1), sua trajetória de mais de doze anos como ativista ambiental e mostrou sua "surpresa" diante das críticas da nova ministra da Agricultura, que a acusou na segunda-feira de criticar seu país "sem conhecimento de causa". 
 
"Causou-me surpresa ver meu nome mencionado de forma negativa por defender e me manifestar a favor do meio ambiente", reagiu a modelo em sua conta no Twitter, onde tem 4,8 milhões de seguidores.  "Desde 2006 venho apoiando projetos e me envolvendo em causas socioambientais, o que sempre fiz com muita responsabilidade", acrescentou a modelo, antes de explicar que seus anos de ativismo lhe permitiram adquirir conhecimentos sobre o tema, graças às "leituras e contatos com cientistas, pesquisadores, agricultores, organizações corporativas e ambientais".  
 
A resposta de Gisele, que chegou a ser a modelo mais bem paga do mundo e que vive há anos nos Estados Unidos, chega depois de a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, acusá-la em uma entrevista de criticar as políticas nacionais na área sem ter suficiente informação. 
 
"Desculpe, Gisele Bündchen, você deveria ser nossa embaixadora e dizer que seu país preserva [o meio ambiente], que o seu pais está na vanguarda do mundo da preservação e não vir aqui meter o pau no Brasil sem conhecimento de causa", afirmou em entrevista à rádio Jovem Pan a titular de uma das pastas mais polêmicas do governo de Jair Bolsonaro.
 
Em seu texto, Bündchen não critica diretamente Cristina, representante do setor do agronegócio, e deixa a porta aberta a uma colaboração com seu país sempre que for para divulgar ações para o meio ambiente.
 
Militância ambiental
Aposentada das passarelas desde 2015, Bündchen, de 38 anos, mora em Nova York com os filhos e o marido, o astro do futebol americano Tom Brady.  
 
Conhecida pela militância ambiental, em 2016 foi nomeada embaixadora da boa vontade da ONU para a proteção da vida salvagem.  Em 2017 contribuiu, com seu ativismo, para reverter uma série de medidas adotadas pelo governo de Michel Temer, predecessor de Jair Bolsonaro, que autorizavam a exploração de minério em regiões da Amazônia. Recentemente, criticou um projeto de lei que busca flexibilizar o registro dos agrotóxicos no Brasil.  
 
A chegada de Bolsonaro ao poder, em 1º de janeiro, desperta preocupação em muitos defensores do meio ambiente. No mesmo dia de sua posse, Bolsonaro assinou uma medida provisória que transfere ao ministério da Agricultura a responsabilidade por delimitar as terras indígenas, áreas preservadas ricas em recursos naturais.  
 
Segundo os críticos, a medida tem como objetivo entregar as riquezas naturais das terras indígenas ao setor produtivo do país. 
 
"Causou-me surpresa ver meu nome mencionado de forma negativa por defender e me manifestar a favor do meio ambiente", reagiu a modelo em sua conta no Twitter, onde tem 4,8 milhões de seguidores.  "Desde 2006 venho apoiando projetos e me envolvendo em causas socioambientais, o que sempre fiz com muita responsabilidade", acrescentou a modelo, antes de explicar que seus anos de ativismo lhe permitiram adquirir conhecimentos sobre o tema, graças às "leituras e contatos com cientistas, pesquisadores, agricultores, organizações corporativas e ambientais".  
 
A resposta de Gisele, que chegou a ser a modelo mais bem paga do mundo e que vive há anos nos Estados Unidos, chega depois de a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, acusá-la em uma entrevista de criticar as políticas nacionais na área sem ter suficiente informação. 
 
"Desculpe, Gisele Bündchen, você deveria ser nossa embaixadora e dizer que seu país preserva [o meio ambiente], que o seu pais está na vanguarda do mundo da preservação e não vir aqui meter o pau no Brasil sem conhecimento de causa", afirmou em entrevista à rádio Jovem Pan a titular de uma das pastas mais polêmicas do governo de Jair Bolsonaro.
 
Em seu texto, Bündchen não critica diretamente Cristina, representante do setor do agronegócio, e deixa a porta aberta a uma colaboração com seu país sempre que for para divulgar ações para o meio ambiente.
 
Militância ambiental
Aposentada das passarelas desde 2015, Bündchen, de 38 anos, mora em Nova York com os filhos e o marido, o astro do futebol americano Tom Brady.  
 
Conhecida pela militância ambiental, em 2016 foi nomeada embaixadora da boa vontade da ONU para a proteção da vida salvagem.  Em 2017 contribuiu, com seu ativismo, para reverter uma série de medidas adotadas pelo governo de Michel Temer, predecessor de Jair Bolsonaro, que autorizavam a exploração de minério em regiões da Amazônia. Recentemente, criticou um projeto de lei que busca flexibilizar o registro dos agrotóxicos no Brasil.  
 
A chegada de Bolsonaro ao poder, em 1º de janeiro, desperta preocupação em muitos defensores do meio ambiente. No mesmo dia de sua posse, Bolsonaro assinou uma medida provisória que transfere ao ministério da Agricultura a responsabilidade por delimitar as terras indígenas, áreas preservadas ricas em recursos naturais.  
 
Segundo os críticos, a medida tem como objetivo entregar as riquezas naturais das terras indígenas ao setor produtivo do país. 

Os comentários abaixo não representam a opinião do Portal Minas1. A responsabilidade é do autor da mensagem.
Comentar

Comentar

* = Preenchimento obrigatório
Nome *
Email *
Mensagem *
 

Comentários

Nenhum comentário ainda.

Histórico

Fernando de Noronha incrementa combate contra plásticos descartáveis

Enviado em: 02 de fevereiro de 2019

Meio Ambiente

‘Ressaca’ de plástico descartável no fim de ano preocupa a ONU

Enviado em: 28 de dezembro de 2018

Meio Ambiente

Brasil é 79º país mais impactado por eventos climáticos extremos

Enviado em: 04 de dezembro de 2018

Meio Ambiente

Desmatamento na Amazônia aumenta 13,7% em um ano

Enviado em: 24 de novembro de 2018

Meio Ambiente

Pesquisa

Publicidade