E se você morasse em Pacaraima ou Boa Vista?

Por Luis Borges


Enviado em 03 de setembro de 2018 às 22:25:49


 

A crise política, econômica e social pela qual está passando a Venezuela colocou em evidência na mídia a cidade de Pacaraima, que fica no norte do estado de Roraima, na divisa com o país vizinho. É por lá que os Venezuelanos estão entrando no Brasil em busca da sobrevivência, de um abrigo que não existe para todos, do combate à fome e da perspectiva de um recomeço em outros lugares pelo Brasil afora. É claro que diante da quantidade de imigrantes chegando – já seriam mais de 30 mil na capital, Boa Vista, segundo a prefeitura municipal – tornou-se inevitável o conflito com brasileiros, como o que aconteceu há três semanas em Pacaraima. E olha que a cidade é apenas um ponto de entrada e de passagem até que se chegue o momento de rumar para Boa Vista e de lá para onde for possível ficar. Vale lembrar, segundo estimativas do IBGE em 2018, que o estado de Roraima tem população de 522.636 habitantes, enquanto Pacaraima tem 12.375 habitantes e Boa Vista 375.374. A energia elétrica usada no estado é comprada da Venezuela, a quem a Eletronorte deve atualmente U$30 milhões pelo fornecimento.

O estopim para confrontos com os venezuelanos pode vir do furto de um bem, como um aparelho de telefone celular, até o roubo em uma casa ou estabelecimento comercial, por exemplo. Há registros de casos de imigrantes que preferiram retornar à Venezuela. Sobreviver é preciso, custe o que custar e das mais variadas formas.

Mapa de parte do Brasil com a cidade de Pacaraima destacada em vermelho. | Fonte: Google Maps

 

Enquanto isso o finado governo Temer continua batendo cabeças em busca do que fazer com a fronteira diante das razões humanitárias e dos acordos internacionais que abordam o assunto. Nesse instante prevalece a decisão de manter as fronteiras abertas e de direcionar os venezuelanos que estão em abrigos ou vias públicas de Boa Vista para diversos municípios ao longo do país.

Nesse contexto fico imaginando como muitos de nós se comportariam caso morassem em cidades como Pacaraima e Boa Vista. Penso também nas atitudes que seriam tomadas em função da espiritualidade, religiosidade e generosidade por quem prega o sempre falado “coloque-se no lugar do outro”, mesmo na plenitude da luta de classes do regime capitalista.

Fico imaginando também se muitos de nós estivéssemos no papel de refugiados que comportamento teríamos diante de uma situação pessoal e familiar nunca imaginada antes? Isso porque é mais fácil imaginar que as coisas só acontecem com os outros e nunca com a gente. Dá até para lembrar como ficamos perplexos diante de mais de 7 mil pessoas, segundo a prefeitura de Belo Horizonte, sobrevivendo nas vias públicas em frente a edifícios residenciais, comerciais ou simplesmente acampadas em praças ou debaixo de viadutos. Lembro-me também que o Brasil recebeu imigrantes do Haiti, da Síria… Agora uma queda de braços está se dando na Nicarágua, país da América Central que é logo ali, onde uma das causas do impasse foi a proposta de reforma da previdência social, que já foi retirada da pauta pelo Presidente da República cuja renúncia é pedida por parte da população.

Será que estamos realmente preparados para colocar em prática diversas ações por razões humanitárias, logo nós que somos tão preocupados com a ordem, a segurança pessoal, a familiar e do patrimônio?  Em tempos de escassez e de outras configurações para atenuar as muitas desigualdades e os chamamentos para trabalhos voluntários, como ficaria o “farinha pouca meu pirão primeiro”? Será que o baile seguirá com a mesma valsa?


As informações e opiniões expressas neste portal são de responsabilidade única do autor.
Os comentários abaixo não representam a opinião do Portal Minas1. A responsabilidade é do autor da mensagem.
Comentar

Comentar

* = Preenchimento obrigatório
Nome *
Email *
Mensagem *
 

Comentários

Nenhum comentário ainda.

Histórico

Calote em série

Enviado em: 21 de setembro de 2018

Colunas

Asas podadas

Enviado em: 20 de setembro de 2018

Colunas

Fé cega, faca amolada?

Enviado em: 18 de setembro de 2018

Colunas

Revoada do Centrão

Enviado em: 18 de setembro de 2018

Colunas

General no STF

Enviado em: 17 de setembro de 2018

Colunas

Ficou na promessa

Enviado em: 15 de setembro de 2018

Colunas

Publicidade