Minas Gerais é o Estado brasileiro que possui o maior número de municípios com nomes religiosos ou a palavra “santo” na nomenclatura. Foi o que constatou um levantamento inédito da Confederação Nacional dos Municípios (CNM) com base em dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 

Nas terras das gerais são nada menos que 87 cidades, ou 15% do total de 580 no país, com nomes religiosos como Santa Bárbara. 
Minas é seguida por São Paulo, com 10,2%, e pelo Rio Grande do Sul, com 9,7%. 

Quando se analisam as regiões brasileiras, o Nordeste possui o maior número de municípios que fazem referência a nomes de santos, com 198 cidades; o Sudeste tem 167; o Sul conta com 129; o Centro-Oeste e o Norte apresentam 44 e 42 municípios, respectivamente.

Tantos esses municípios como os festejos ocorridos no período, de junho a julho, segundo o mapeamento, demonstram o vínculo histórico da religião católica dos colonizadores em território nacional. 

São Francisco do Oeste (RN) é um exemplo de localidade doada para construção de capela em homenagem ao padroeiro da região, e que posteriormente foi emancipada. 

Já São Francisco do Conde (BA) é uma das diversas outras localidades que fizeram uma dupla homenagem, ao juntar nome de santos com o de pessoas que obtiveram algum prestígio social.

Dentre as cidades históricas apontadas no levantamento, conforme a CNM, é curioso constatar que alguns de seus nomes, na verdade, não são de santos. São exemplos: São Luís (MA), que foi fundada, em 1612, por franceses que renderam homenagem ao então Rei da França, Luís XIII; São João del Rei (MG), que carrega em seu nome uma história de homenagem a D. João V e a Tomé Portes Del Rei, este último, um dos primeiros moradores da região, ainda no fim do século XVII.