Emissora de TV não é obrigada a exibir tudo o que foi gravado em reportagem


Enviado em 12 de outubro de 2017 às 11:33:12


INTERESSE SOCIAL

 

Emissora de televisão não é obrigada a exibir todo o material gravado durante reportagem, mas somente aquilo de for de interesse público. Com base nesse entendimento, a 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça afastou a obrigação imposta à TV Bandeirantes de exibir o conteúdo gravado pela equipe jornalística do programa CQC durante reportagem na prefeitura de Analândia (SP).

Danilo Gentili registrou  ocorrência dizendo ter sido agredido por
funcionários públicos durante gravação.
Reprodução/SBT

 

Em julho de 2010, o humorista Danilo Gentili e um cinegrafista do CQC gravaram manifestação popular em frente à prefeitura, ocasião em que os manifestantes entraram no prédio, insultando o prefeito e funcionários, até serem contidos pela polícia.

O município moveu ação cautelar em que pediu que a Bandeirantes fosse obrigada a apresentar todo o material gravado no local, bem como não veiculasse a reportagem no programa CQC sem seu prévio conhecimento. A prefeitura estava preocupada com a edição das imagens, principalmente depois que a equipe do CQC registrou ocorrência na polícia relatando ter sofrido agressões por parte de funcionários públicos durante a reportagem.

O juiz de primeiro grau determinou à Bandeirantes que exibisse a íntegra da gravação, sem edições. O Tribunal de Justiça de São Paulo confirmou a determinação de que fosse exibido o material bruto.

No recurso especial ao STJ, a emissora alegou que tal determinação violaria o artigo 71, parágrafo 3º, da Lei 4.117/62, que instituiu o Código Brasileiro de Telecomunicações (CBT).

Lei não obriga

A ministra Nancy Andrighi, relatora do recurso, afirmou que a obrigação de guarda disposta no artigo 71 do CBT não abrange todo o material captado e posteriormente utilizado na edição das reportagens e matérias, “mas somente aquele conteúdo que é de fato irradiado pela sociedade prestadora de serviços de radiodifusão”.

De acordo com o artigo 71, “toda irradiação será gravada e mantida em arquivo durante as 24 horas subsequentes ao encerramento dos trabalhos diários de emissora”.

Em seu voto, a ministra destacou o parágrafo 3º do dispositivo, segundo o qual “as gravações dos programas políticos, de debates, entrevistas, pronunciamentos da mesma natureza e qualquer irradiação não registrada em texto deverão ser conservadas em arquivo pelo prazo de 20 dias depois de transmitidas, para as concessionárias ou permissionárias até 1 kw, e 30 dias para as demais”.

Com base no texto legal, a relatora entendeu que a emissora não está obrigada a exibir o material bruto gravado durante a reportagem, razão pela qual reformou a decisão do TJ-SP. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

Clique aqui para ler a decisão.

REsp 1.660.158

fonte:Conjur


As informações e opiniões expressas neste portal são de responsabilidade única do autor.
Os comentários abaixo não representam a opinião do Portal Minas1. A responsabilidade é do autor da mensagem.
Comentar

Comentar

* = Preenchimento obrigatório
Nome *
Email *
Mensagem *
 

Comentários

Nenhum comentário ainda.

Histórico

Portaria estratégica

Enviado em: 23 de outubro de 2017

Colunas

Explosão anunciada

Enviado em: 21 de outubro de 2017

Colunas

Brinquedos e brincadeiras de uma infância cinquentenária

Enviado em: 21 de outubro de 2017

Colunas

A saída de Aécio

Enviado em: 21 de outubro de 2017

Colunas

‘Escravos’ da lei

Enviado em: 20 de outubro de 2017

Colunas

Não ao fechamento do Minascentro

Enviado em: 20 de outubro de 2017

Colunas

Oil in Rio

Enviado em: 19 de outubro de 2017

Colunas

Publicidade