O Sindicato dos Servidores da Polícia Civil de Minas Gerais (Sindpol/MG) informou que impetrou uma ação na Justiça para garantir o pagamento do 13º salário da categoria. O benefício deveria ter sido quitado no fim de 2018, mas o governador da época, Fernando Pimentel (PT), alegou crise financeira e não efetuou o pagamento.

"Esse mandado de segurança foi impetrado exatamente para garantir este direito líquido e certo dos profissionais da área da Segurança Pública", alegou o sindicato por meio de nota. O comunicado frisa, ainda, que "o 13º salário é destinado a todos, sejam da iniciativa privada – ou não – para o pagamento das despesas normais e impostos de início de ano, os quais são de notório e público conhecimento de todos".

O atual governo de Romeu Zema (Novo), que herdou a dívida, foi procurado pela reportagem, mas ainda não se manifestou sobre a ação judicial. Em entrevista à TV Record, na última quarta-feira (9), Zema lamentou a situação dos servidores, mas disse que, por enquanto, não há previsão de quando as remunerações serão normalizadas.

"A situação que enfrentamos é o problema do cobertor curto e isso vai perdurar até que a situação financeira do Estado esteja sanada. E (o pagamento do 13° aos servidores) só vai ser feito dentro de alguns meses após a conclusão de um acordo com o Tesouro Nacional. Eu não posso prometer nada diferente nos próximos meses", disse em entrevista.